Não sou eu… É você!

Mês passado, a cantora britânica Lily Allen presenteou os fãs tupiniquins com sua ilustre presença aqui em solo brasileiro, com sua turnê do último álbum – que ela alega ser o último de sua carreira – “It’s Not Me, It’s You”. A cantora de “Smile” fez uma rápida passagem pelo Brasil nos dias 16 e 17 de setembro em São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente.

Depois de uma aventura digna de um livro, a pessoa que vos fala foi ver de perto o concerto e compartilha convosco as emoções do show.

Comecemos pelo começo. Com o horário da abertura dos portões previsto para as 19h, cheguei na HSBC Arena por volta das 18h30 e não acreditei quando vi o tamanho da fila que tentava ser cultivada na entrada do lugar. Pouquíssimas pessoas – em sua maior parte menores de 15 anos, mereço? -, muitos ingressos ainda à venda e cambistas tentando se livrar dos seus ingressos a preços absurdos de tão baratos: essa era a cena do lugar.

Por volta das 20h, os portões se abriram e deu-se a correria insana por bons lugares nas pistas. Após pegar a pulseira identificadora da pista VIP e passar por um enorme lounge, entrei na, claro, Pista VIP, com pouquíssimas pessoas nela. Felizmente, consegui um bom lugar próximo ao palco, que rendeu as fotos que ilustram esse post.

Depois ainda de mais alguns minutos, uns bons 40 deles, as luzes se apagaram, enquanto um pano branco cobria a parte mais alta do palco, foi possível ver os inconfundíveis sapatos de Lily por trás dele. O público – incluindo eu – foi à loucura, enquanto a bateria começava as batidas de “Everyone’s At It” e uma luz piscava por trás do pano revelando a silhueta da banda.

O canal a cabo Multishow gravou e exibiu as melhores partes a apresentação de São Paulo – no dia anterior -, em qualidade profissional, claro, que, acredito eu, vai ser lançado em DVD. Para ver a crítica do show faixa-a-faixa, com fotos e vídeos, e a apresentação exibida pelo canal, clique em “Continue lendo…”

Everyone’s At It
Finalmente, ao cair do grande pano branco, revela-se Lily, linda, com uma maquiagem nas cores verde, amarelo e azul, com um vestidinho preto florido – levemente transparente que revelava uma calcinha, aliás, uma calçola preta gigante – e uma pequena jaquetinha azul.  Além disso, ela ainda está ‘vestida’ com algo que parece um pano de mesa estampado com bandeiras do Brasil, o que leva toda a plateia à loucura. Afinadíssima, canta a música, a primeira também do álbum, com um arranjo também muito parecido do álbum, mas nem por isso, ruim. Lily, ao contrário do que eu pensava, consegue animar a galera, principalmente com seu jeito peculiar de dançar. Rs.

Veja o vídeo da performance:

I Could Say
Antes de começar ela já solta o primeiro “Hello Rio!”. A primeira balada – se é que pode ser classificada assim – do show, e que já emociona. Outra em que ninguém fica calado. Também, nada muito diferente do arranjo do CD. Mas Lily arrebenta nos vocais impecáveis.

Veja o vídeo da performance:

Never Gonna Happen
Uma das minhas preferidas do álbum, e uma das que mais enlouqueci cantando. Lily muito fofa, pediu para que toda a plateia cantasse com ela os ‘pa pa pa’s da música, o que fizemos muito bem, a deixando orgulhosa. Rs.

Oh My God / Everything’s Just Wonderful
Antes de começar esse medley, Lily comentou: “Ontem, em São Paulo estava bem barulhento, mas vocês estão indo muito bem. Mas eu quero ouvir um pouco mais de barulho. Vamos lá, Rio.” Em resposta, toda a plateia gritou em coro, seu nome. Emocionada, Lily tomou o primeiro gole – pelo menos em cima do palco – de sua bebida. Logo depois, ela apresentou a música, um cover – o primeiro da noite -, enquanto resgatava sua calcinha. =) E, do nada, deu-se início à outra faixa, do primeiro CD de Lily, “Alright, Still”.

22
Excelente faixa do “It’s Not Me, It’s You”, que inclusive compõe a lista de músicas da novela das 9, Viver A Vida”. Lily tira a jaquetinha azul que usava no início do concerto. O arranjo e vocal perfeitos levam todos a êxtase enquanto cantam todos os versos. No meio da música, ela já pede ajuda da plateia a cantar o segundo refrão, o que todos fazem com muito prazer.

Him
Não é minha música preferida, mas a letra é excelente. Logo no início, Lily, com sede – sede, sei – dá mais uma bicadinha em sua bebida e perde a entrada de um dos versos e dá uma risada. No meio da música, ela ainda pega um cigarro, que afirma ser um daqueles eletrônicos.

Who’d Have Known / LDN / Back To The Start

Antes de começar a música, ela bate mais um papinho com a plateia, dizendo que usa o cigarro eletrônico porque “não se pode mais fumar em lugar nenhum do mundo, hoje em dia. Em compensação, eu sinto que tem alguém por aqui fumando maconha. Cheira bem.” E conta que essa música fala sobre se apaixonar, logo no início, a parte boa, antes de ficar horrível. “A música se chama… Na verdade, vamos começar a música”. Uma música apaixonante mesmo. Em que ela, fofíssima ainda pede para que cantemos. No instrumental no meio da música, Lily termina seu primeiro copo de bebida e ainda tenta jogar para a galera, mas erra, e acaba jogando em cima do palco mesmo. Rs. Logo começa LDN sem nenhum intervalo – música que eu só fui descobrir que se chamava London, lá, no dia do show… Que vergonha… – incendiando todo mundo. Durante a música, ela inclusive volta a pegar o pano de mesa do Brasil para usar. Ela desce do salto, calça um tênis e quando menos esperamos começa “Back To The Start”. Com um instrumental enlouquecedor e vocais perfeitos, Lily faz todo mundo pular freneticamente.


Veja o vídeo da performance:

He Wasn’t There
Uma delícia de música. A voz dela angelicalíssima. O rosto também. Nem parece uma cantora que canta “Fuck You”. Mas sem muito o que adicionar. O arranjo está mais parecido com “22” que com o do CD propriamente dito.

Littlest Things
Ao fim da música anterior, Lily senta na beiradinha do palco para ficar mais perto do público e cantar essa delícia do primeiro álbum. A voz mais gostosa de todo o show está nessa faixa. No meio da música ela chama um dos seguranças para perto dela e dá um abracinho nele e morre de rir. Dá a impressão de que a interação com o público vai ficando maior, com o passar do show e ela vai se soltando mais. Uma das partes inesquecíveis do show. O arranjo é bem parecido com o do CD, mas com a superioridade que só o live consegue dar. A voz, que pensa-se que só é possível no CD, aparece aqui, suabilíssima. Ao fim da música, Lily volta a subir no palco para dar continuidade ao show.

Veja o vídeo da performance:

Chinese
Outra excelente faixa do último álbum. Mas nada muito diferente do CD, com excessão de um solo de guitarra a mais. Nada a acrescentar, tirando um segundo resgate ao fim da música.

Smile
Umdos pontos mais altos do show, já chegando ao fim. Lily toma mais um gole de sua bebida, e, para surpresa de todos – não sei por quê, afinal, é Lily Allen – solta um arroto bem no microfone. A galera vai ao delírio. Logo depois começam os primeiros acordes da faixa, que fazem a galera enlouquecer mais ainda. Para o primeiro refrão, ela pede para que todas as pessoas da esquerda do palco cantem com ela, para fazer uma pequena competição. Já no segundo refrão, todos da direita do palco cantam e, de acordo com Lily, ganham. Modéstia parte, era lá que eu estava ;). Logo depois, ela pergunta: “Rio, vocês sabem dançar?” e começa um remix à la Zé Maria da música fazendo com que todos pulassem muito. Depois, a música voltava a um ritmo mais lento e a iluminação diminuía apenas contando com as luzes coloridas ao fundo.

Veja o vídeo da performance:

The Fear
Uma pequena introdução antes da música, não entregava qual era a seguinte. Até que uns ecos dizendo “The Fear”. Com os primeiros acordes, a plateia em uníssono cantava os primeiros versos do primeiro single deste último CD de Lily. Mal era possível ouvir a voz dela. Outra parte inesquecível do show. Nos versos seguintes ao refrão, Lily pede ajuda do público, alternando os versos entre ela e a galera. Na bridge da música, enquanto cantava “Now, everything’s cool as long as I’m getting thinner”, Lily levantou seu vestido e mostrou a calçola – que já tínhamos visto desde o início do show, já que seu vestido era transparente. Mais uma daquelas interludes começam ao fim desta faixa.

Womanizer
Mais um cover, dessa vez, do hit de Britney Spears. Quando a galera reconhece o instrumental da música, todos vão ao delírio. Com um arranjo excelente e a voz de Lily afinadíssima. Todo mundo pula freneticamente e canta em coro. Claro que tem lugar para mais um dos muitos resgates de calcinha, mas dessa vez, no meio da música e ela ainda solta um sorrisinho porco. Rs. Lily desce até o chão, dançando e tudo. Ela finge uma despedida e sai do palco e toda a banda também. A galera implora pelo mais recente hit e grita em coro: “Fuck you, fuck you, fuck you…”

Veja o vídeo da performance:

Fuck You
Lily volta, dessa vez com uma blusinha e um shortinho jeans e a bandeira do Brasil, e a banda também. Ela comenta: “Eu posso estar usando essa bandeira agora, mas em alguns meses a gente vai se encontrar na Copa do Mundo. Eu vou torcer para a Inglaterra.” Antes de começar a cantar Lily ainda diz: “Essa música é dedicada àqueles que sempre tentam te ferrar. Pessoas que tentam ditar o que você não pode fazer, que não pode ser gay. Essas pessoas podem ir se foder. E eu quero ver seus dedos para cima”. Todos também cantavam em uníssono. No final, ela ainda apresentou a banda.

Veja o vídeo da performance:

Not Fair
A música da despedida. Uma das melhores do show. Com vários arranjos diferentes durante a música. Ela ainda grita para as meninas: “Vocês sabem do que eu estou falando, moças?”. E ainda fala para todos: “Vamos dançar. Vocês são os melhores ‘fucking’ dançarinos do mundo.” E aí começa uma versão mais rock da música, mais remixada. Ao final ela diz: “Obrigada, Rio. Eu amo o Brasil, é um excelente lugar para tocar, não é, banda? Vejo vocês na próxima., certo? Amo vocês, nunca se esqueçam disso.”

Veja o vídeo da perfomance:

Atenção: Nenhum dos vídeos postados acima, foram feitos por mim.

Por fim, foi um show excelente. Curto, apenas 1h15, mas valeu cada segundo e cada centavo. Depois, na lounge da arena, ainda rolou uma After Show Party que foi até altas horas da noite. O show ainda contou com a presença de vários artistas.

Aqui estão os vídeos capturados da exibição da Multishow do show de São Paulo, no dia anterior a esse:

Everyone’s At It:

LDN / Smile:

Womanizer:

Fuck You:

Not Fair:

Anúncios

Um pensamento sobre “Não sou eu… É você!

  1. Pingback: Esse é todo o meu plano… « Mercado Pop

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s